"A pessoa pobre virou miserável", diz fundadora da Corrente do Bem do bairro Campina no Start News


A fundadora da Corrente do Bem do bairro Campina, Márcia Alves, falou sobre como surgiu a sua vontade em ajudar o próximo e as ações desenvolvidas pelo grupo. | Imagem: reprodução/ Start Comunicação.

Nesta quinta-feira (05), o Programa Start News recebeu a fundadora da Corrente do Bem do bairro Campina, Márcia Alves, que falou sobre como surgiu a sua vontade em ajudar o próximo e as ações desenvolvidas pelo grupo.


“Tudo começou em abril de 2020, logo no início da pandemia, quando eu também perdi o meu emprego e muitas mães e amigas conhecidas também. A princípio nós distribuíamos 40 refeições, mas cada vez que chegávamos na rua para entregar essas viandas, faltava. Foi quando eu comecei a fazer as lives pedindo doações. Com elas, conseguimos fazer cem refeições para os necessitados. Atualmente, estamos distribuindo 400 refeições”, conta Márcia.


Por conta da alta nos preços dos alimentos, as doações recebidas pelo grupo já não são mais em grandes quantidades. “Com o custo do azeite, da massa, do feijão, as nossas doações diminuíram muito. Então, cada dia é mais difícil. Nós costumávamos oferecer as refeições nas segundas e quintas-feiras. Hoje, servimos apenas na quinta-feira devido à falta de alimentos, pois quanto mais aumenta o preço, menos as pessoas doam”, explica a fundadora.


Além de alimentar as pessoas que não tem uma refeição, a Corrente do Bem também se preocupa com o meio ambiente e em como as marmitas de isopor estão prejudicando a natureza. “A gente alimentava, mas também poluía. Foi então que surgiu uma parceria com a Betanin, que nos doou potes de plásticos retornáveis", conscientiza.


Márcia convive diariamente com a dor das pessoas que não possuem nada e com a pandemia a situação piorou ainda mais. “Se para nós está difícil, que temos emprego, imagina para aquele pessoal que, ao invés de pobre, virou miserável? A situação que vivenciamos no dia a dia é desesperadora. A mãe que abandona os filhos, deixa no frio com fome por não ter condições de cuidar. Nós procuramos tornar a vida dessas pessoas mais fácil”, desabafa Márcia.


A Corrente do Bem da Campina reitera o pedido por ajuda, seja como voluntário ou com doação. “A nossa maior necessidade é o alimento, o gás de cozinha, a lenha. O pessoal pode me chamar pelo número (51) 99202-8264. Também é muito fácil encontrar o nosso projeto pela página Corrente do Bem Campina São Leopoldo. Para quem quiser doar via Pix a chave é o telefone”, afirma a fundadora do grupo;.


O Programa Start News com a fundadora da Corrente do Bem da Campina, Márcia Alves, tem reprise às 20h na radiostart.com.br


Confira a conversa na íntegra.

Andressa Deuner, da Redação Start

0 comentário