top of page
Buscar

Advogado do caso Kiss é apontado pelo MPRS como "braço financeiro" de organização criminosa


Imagem: Juliano Verardi/ TJRS.

Um advogado que atuou nos júris dos casos Rafael, Kiss e Bernardo é apontado pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) como "braço financeiro" de uma organização criminosa. O defensor Jean Severo está entre as 24 pessoas que viraram rés nesta segunda-feira (28).


A investigação começou em 2019. A denúncia foi aceita pela Vara de Lavagem de Dinheiro de Porto Alegre. O advogado é acusado de organização criminosa, lavagem de dinheiro e receptação.

Jean Severo negou as acusações e disse à reportagem da RBS TV que está sendo perseguido. "Isso é uma tremenda mentira. A Polícia Civil e o Ministério Público são órgãos covardes. Eu fui acusado disso por rasgar livro de promotor e por dizer que delegado de polícia em júri era mentiroso e covarde", alega o advogado.


A Polícia Civil e o Ministério Público não comentaram as declarações do advogado.


A denúncia

De acordo com o MP, era pelo advogado que o chefe de uma organização criminosa, preso em uma penitenciária federal, repassava as ordens ao grupo. Os promotores acrescentam que o defensor ocultou bens de traficantes, forneceu contas de passagem para lavagem de dinheiro e simulou negócios para impedir a identificação do patrimônio dos integrantes do grupo.

"Ao agir assim, Jean Severo assumiu a efetiva função de integrante do grupo criminoso, em completo desrespeito aos postulados da advocacia", diz trecho da denúncia.

Conversas entre os suspeitos de integrarem o grupo, interceptadas pela polícia, levaram ao nome de Jean. Por ser advogado de um dos chefes da organização criminosa, ele teria livre acesso ao comando e atuaria diretamente no cumprimento de determinações do primeiro escalão e no repasse de ordens.

"Este escalão é formado pelos indivíduos que atuam no apoio direto, notadamente pela maior confiança que possuem dentro da organização. Portanto, comunicavam-se diretamente com os líderes-maiores do grupo e a eles respondiam por suas ações, já que considerados seus "braços-direitos"', afirmam os promotores.


Uma das provas levantadas pelo MP seria uma troca de mensagens de Jean com outro denunciado, ocorrida em junho de 2018. O advogado escreve: 'o menino me liberou 10. Posso ir buscar?'. Menino seria a alcunha utilizada pelo traficante Antonio Marco Braga Campos.


Segundo os promotores, em 2018, foram depositados, em sequência, mais de R$ 150 mil. A quantia seria dinheiro do tráfico de drogas para ser lavado.


"No presídio federal não existe como passar mensagens, qualquer acadêmico de Direito sabe. E esse rapaz estava com problema psiquiátrico aqui no Rio Grande do Sul, eu tenho laudo aqui pra mostrar, só que pra polícia não interessa", contesta Jean.


O crime de receptação teria sido cometido a partir de um veículo de luxo usado por Jean. O MP afirma que o carro foi comprado por chefes da organização criminosa e repassado para o advogado.


Policiais cumpriram ordens judiciais na casa do defensor e apreenderam a chave do veículo. O objeto foi enviado para a fabricante, fora do país, e constatou-se que o carro era clonado.


"As chaves apreendidas foram encaminhadas para a Alemanha, averiguando-se que o chassi único vinculado correspondia a um veículo emplacado em Santa Catarina em nome de uma pessoa jurídica cujos donos eram moradores da cidade de Joinville, Santa Catarina, e o proprietário nunca esteve no Rio Grande do Sul, conforme informou a Polícia Civil de Santa Catarina", sustentam os autores da denúncia.


Jean assevera que "a chave não tem nada a ver com processo" e que "nunca andei nesse carro". "A única vez que andei num carro desse tipo foi pra me levarem da rodoviária ao Fórum, eu nunca tivesse esse carro", acrescentou.


O MP determinou a remessa das investigações à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), para que medidas sejam tomadas contra o advogado.


"Chegando uma denúncia ao Tribunal de Ética, imediatamente ele é autuado, distribuído para um relator, isso em menos de um dia para que ele comece a analisar e sugira as medidas a serem adotadas. Geralmente, alguns processos são pautados para julgamento em 30 dias", explica o presidente da OAB/RS, Leonardo Lamachia.


Quem é Jean Severo

Advogado criminalista com mais de duas décadas de carreira, Jean Severo atuou em júris de repercussão nacional, como os casos Rafael, Kiss e Bernardo.


Em 2022, durante o júri do Caso Rafael, Jean deixou a sessão após a juíza negar perícia em uma prova. O Tribunal de Justiça do RS determinou ao advogado pagamento de multa por abandono de plenário.


Em 2019, Jean Severo discutiu com uma testemunha do Caso Bernardo. A juíza pediu que o advogado se acalmasse e suspendeu o júri por alguns minutos. A sessão chegou a ser suspensa novamente pouco tempo depois, porque algumas testemunhas relataram pressão alta.


Fonte: g1

0 comentário
WhatsApp Image 2024-02-26 at 16.17.18.jpeg
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page