Após alunas relatarem abuso sexual no Colégio Pedrinho, Secretaria da Educação afasta professor


Conforme a direção da escola, o professor começou a lecionar no local em 2020, quando as aulas ainda estavam ocorrendo no modelo virtual. | Imagem: divulgação/ IEE Professor Pedro Schneider.

A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de São Leopoldo, no Vale do Sinos, está investigando o relato de três alunas do Instituto Estadual de Educação Pedro Schneider, a escola Pedrinho, contra um professor da instituição por importunação sexual.


O homem de 52 anos é suspeito de ter tocado de forma inapropriada em uma delas. As jovens estão no 1º ano do Ensino Médio e têm entre 15 e 16 anos.


O professor chegou a ser preso em flagrante na quarta-feira (24), mas, nesta quinta-feira (25), recebeu o alvará de soltura. Um inquérito foi aberto para investigar o caso e a titular da Deam de São Leopoldo, delegada Michele Arigony, espera ouvir as vítimas e as testemunhas do ocorrido.


"As três estudantes prestaram depoimento ainda no momento do flagrante, mas queremos ouvi-las novamente. Também iremos ouvir as testemunhas e ainda outras se mais vítimas buscarem a delegacia", afirmou Michele.


Conforme a direção da escola, o professor começou a lecionar no local em 2020, quando as aulas ainda estavam ocorrendo no modelo virtual. O contato presencial com os estudantes teria começado somente no último mês. O docente estava dando aulas de Ensino Religioso e História na instituição.


O vice-diretor da escola, Vinícius Vilella, afirma que as alunas decidiram procurar a direção após terem conversado com colegas da sala e de outros anos. Neste momento, um grupo de estudantes, que estava no pátio do instituto, viu que o professor deixava o local e chamou a Brigada Militar.


"Assim que soubemos do ocorrido, interrompemos a conversa com as alunas e todos foram para a delegacia. O professor já havia sido detido pela polícia. Não tínhamos conhecimento do fato. Agora, vamos seguir acompanhando as estudantes até o fim do processo —afirmou.

Por meio de nota em uma rede social, a escola informou que professor foi afastado das atividades escolares que repudia qualquer atitude de assédio e discriminação".


A Secretaria Estadual da Educação (Seduc) também se manifestou por meio de nota, afirmando que acompanha o caso e que a 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) está em contato constante com a equipe diretiva da escola e comunidade escolar para a apuração dos fatos.


Por fim, a nota ressalta que a Seduc abrirá processo administrativo para análise da ocorrência e para potenciais medidas a serem tomadas, de acordo com o andamento das investigações.


Confira a nota na íntegra do Instituto Estadual de Educação Pedro Schneider


"A direção do I.E.E. Prof. Pedro Schneider informa que o incidente ocorrido hoje (quarta-feira) foi apurado.

As partes envolvidas foram ouvidas e orientadas a procurarem as autoridades policiais para que seja investigada a ocorrência de possível crime. O professor envolvido foi afastado das atividades escolares e a 2ª Coordenadoria Estadual de Educação decidirá sobre o futuro profissional do docente.

Este Instituto repudia qualquer atitude de assédio ou discriminação.

Direção I. E. E. Prof. Pedro Schneider"


Confira a nota na íntegra da Secretaria Estadual da Educação


"A Secretaria Estadual da Educação informa que está acompanhando o caso ocorrido no Instituto Estadual de Educação Pedro Schneider, localizado no município de São Leopoldo.

A Seduc, por meio da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), está em contato constante com a equipe diretiva da escola e comunidade escolar para a apuração dos fatos. O professor em questão está afastado da escola enquanto o caso é averiguado.

A Seduc abrirá processo administrativo para análise da ocorrência e para potenciais medidas a serem tomadas, de acordo com o andamento das investigações."


Fonte: GZH

0 comentário