Araçatuba/SP: quadrilha ataca agências bancárias e faz moradores reféns; três pessoas morreram


Criminosos armados fizeram moradores de Araçatuba (SP) reféns após ataque a banco — Foto: Arquivo pessoal

Criminosos fortemente armados atacaram três agências bancárias no Centro de Araçatuba (SP), no início da madrugada desta segunda-feira (30). Pelo menos três pessoas morreram, segundo a Polícia Civil, sendo dois moradores e um criminoso. Dois suspeitos foram presos.


A ação criminosa em Araçatuba, cidade na região noroeste de SP com cerca de 200 mil habitantes, durou duas horas, entre ataque às agências, tiroteio e fuga.


Após o ataque às agências, o grupo com cerca de 20 criminosos em dez carros abordou pedestres e motoristas e os fizeram reféns na cidade. Eles também cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.


Em vídeos que circularam nas redes sociais, algumas vítimas aparecem em uma espécie de "escudo humano" dos criminosos e sobre carros.


Após o ataque às agências, o grupo com cerca de 20 criminosos em dez carros abordou pedestres e motoristas e os fizeram reféns na cidade. Eles também cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.


Em vídeos que circularam nas redes sociais, algumas vítimas aparecem em uma espécie de "escudo humano" dos criminosos e sobre carros.


Loja em Araçatuba (SP) ficou danificada após ataque de bandidos — Foto: Márcio Zeni/Divulgação

A quadrilha abandonou veículos usados no crime e roubou outros de moradores para fugir. Moradores também relataram que encontraram explosivos e munições nas ruas da cidade. Lojas também ficaram danificadas. Uma das ruas interditadas é a Luiz Pereira Barreto, onde mais de dez explosivos foram encontrados.


A Polícia Militar isolou algumas ruas e orienta que os moradores não saiam de casa até que a situação esteja controlada, pois há explosivos espalhados pela cidade e que podem ser acionados por calor ou movimento. Policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foram chamados para desativar os explosivos.


Devido à gravidade da ocorrência, o Batalhão de Ações Especiais da Polícia (Baep) de São José do Rio Preto (SP) também foi acionado para auxiliar no caso.


"É uma sensação horrível, um horror. Moro a poucas quadras do Centro. Ouvi todos os tiros, acompanhando através de vídeos. Não saí de casa e peço à população que fique em casa", disse o prefeito Dilador Borges.

"Quando iniciou tudo isso, sentimos o drama que seria nossa noite, entrei em contato com o governador João Doria, que através do secretário de Segurança disse que viria reforço de Rio Preto, Bauru e Prudente", completou Borges.

Fonte: G1

0 comentário