Buscar

Atendimentos pediátricos na UPA Rio Branco, em Canoas, estão restritos


Imagem: Fernanda Bassôa/ Correio do Povo.

A Prefeitura de Canoas informou que os atendimentos pediátricos na UPA Rio Branco estão restritos. A orientação é que, em casos de urgência e emergência, a população busque atendimento na UPA Boqueirão, localizada na rua Boqueirão, 2.901, no bairro Guajuviras.


Nesta quarta-feira (08), diretores do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) estiveram na unidade e conversaram com a direção técnica, as duas pediatras que ainda cumpriam o plantão e com representantes da gestão, atualmente realizada pela Associação de Gestão e Execução de Serviços Públicos e Sociais (Biogesp).


Segundo relatos, os médicos pediram demissão devido à falta de retaguarda para o encaminhamento dos pacientes graves que chegam ao local. Eles informaram que não é possível manter a assistência sem poder contar com a emergência pediátrica do Hospital Universitário, que enfrenta falta de medicamentos e insumos.


“Ouvimos da Biogesp que a Emergência Pediátrica da UPA Boqueirão está 85% acima da sua capacidade. Como os profissionais vão garantir um atendimento com qualidade e segurança em tais condições e sem ter para onde encaminhar os casos graves?”, reforça a diretora do Simers, Anice Metzdorf. A dirigente ressalta que é fundamental a Prefeitura de Canoas garantir a retaguarda para os pequenos pacientes e, dessa forma, promover as condições para que os médicos possam exercer as suas funções e evitar que ocorra o mesmo esvaziamento de pediatras na UPA Boqueirão, a única que restou com assistência em Emergência Pediátrica para os canoenses.


“Sem uma ação concreta dos gestores da Saúde, o município com a segunda maior arrecadação do Estado corre sérios riscos de ficar sem nenhum local para o atendimento em Emergência Pediátrica”, ressaltou.


Além de restringir os atendimentos na UPA Rio Branco, a Prefeitura de Canoas informou, em nota, que “em relação as possíveis demissões coletivas de pediatras da UPA Rio Branco, o Município de Canoas esclarece que não é o contratante direto de médicos e, sim, tem responsabilidade por empresas terceirizadas que administram os equipamentos de saúde, no caso específico deste, a Biogesp. Ressalta que se houve tal movimento, foi na relação contratual entre os profissionais e a contratante, e não com o Município, que tem como papel fiscalizar e cobrar a empresa administradora para que os atendimentos médicos e demais serviços transcorram dentro da normalidade. A Administração Municipal trabalha, ininterruptamente, para que a população canoense não fique desassistida e tomará as medidas cabíveis dentro do Termo de Colaboração firmado, entre a Prefeitura de Canoas e a empresa Biogesp.”


Fonte: Correio do Povo

0 comentário
Sem título.png
Caixinha de perguntas Start.png