Auxílio Brasil: incertezas fazem pessoas amanhecerem em filas pelo país


Multidão se aglomera no CRAS Jorge Teixeira para atualizar o CadÚnico em Manaus | Imagem: Paulo Paixão/Rede Amazônica

Beneficiários do Bolsa Família, programa de distribuição de renda federal encerrado no fim de outubro, estão passando noites na fila em postos em todo o país atrás de informações sobre o Auxílio Brasil.


Quem recebia o Auxílio Emergencial, que igualmente foi cancelado, também está buscando orientações nas unidades de assistência social — responsáveis pelo Cadastro Único (CadÚnico).


É pelo CadÚnico que o governo federal vai pagar o Auxílio Brasil. O Ministério da Cidadania afirma ainda que os inscritos do Bolsa Família receberão automaticamente o novo programa — mas existem pontos indefinidos (veja mais abaixo).


Famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza — com renda por pessoa de até R$ 200 —que não recebiam o Bolsa Família podem ser incluídas no CadÚnico, junto às prefeituras e governos estaduais.


Problemas pelo país

No Rio de Janeiro, Rita de Cássia era a primeira a ser atendida nesta quinta-feira (11) no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de Paciência, na Zona Oeste. Era a segunda madrugada que ficava em claro e ao relento.


"Anteontem [de terça para quarta], cheguei às três da manhã e não consegui. Eles distribuem apenas 20 senhas por dia. Quem chegar depois não consegue nada", disse.

No Recife, uma mulher passou mal e foi socorrida.


Em Salvador, houve protesto na fila da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza.


Depois de um dia inteiro de filas na quarta, também houve quem chegou à noite para tentar ser atendido nesta quinta.


Em Manaus, longas filas voltaram a ser registradas nos Centros de Referência da Assistência Social na manhã desta quinta-feira (11).


No bairro Jorge Teixeira, a população começou a chegar ainda na noite de quarta-feira (10) para tentar atualizar o CadÚnico.


Pontos a definir

Pelo Brasil, as dúvidas mais comuns são: quem tem direito? É preciso se recadastrar? Qual será o valor a receber?


O governo reajustou o valor médio do benefício, mas o complemento para garantir um mínimo de R$ 400 ainda não é certeza. O valor médio, recém-reajustado, subiu para R$ 217,18.


A conta de exatamente quanto cada família vai receber depende do direito a outros benefícios que estão debaixo do guarda-chuva do Auxílio Brasil — como prêmios por desempenho escolar ou científico.


“Não há clareza sobre quais são os benefícios do Auxílio Brasil em relação ao Bolsa Família. No que o Auxílio Brasil aprimora o Bolsa Família?”, indagou Lauro Gonzalez, professor da FGV.


“Temos um programa que já tinha 18 anos e ele passa a ser descontinuado, não existe mais, e é substituído por alguma coisa cuja duração vai até fim de 2022. O que virá depois é uma incerteza”, emenda o professor.

Fonte: G1



0 comentário