Bares e restaurantes de São Leopoldo terão selo “Aqui tem respeito pelas mulheres"


Funcionários receberão formação sensibilização da Universidade La Salle | Foto: Foto: Thales Ferreira

A partir de outubro, as mulheres terão mais um instrumento de prevenção à violência em São Leopoldo. A Prefeitura, através da Secretaria de Políticas para Mulheres, e o Comitê Gaúcho Impulsor do Movimento He For She (Eles por Elas) lançaram nessa quarta-feira (15), a campanha educativa e de prevenção à violência contra a mulher chamada “Aqui tem respeito pelas mulheres”.


A secretária Margarete Simon Ferretti enfatizou a importância de projetos e políticas públicas que propiciem ambientes mais seguros para as mulheres. “Após a adesão ao Eles por Elas, hoje damos um segundo passo para efetivar esse projeto. Temos que rechaçar qualquer tipo de violência em todos os espaços”, ressaltou a titular da Sepom.


Os funcionários e proprietários de bares, restaurantes, casas noturnas e hotéis que aderirem à campanha receberão uma formação de sensibilização da Universidade La Salle para orientá-los a como identificar e prestar atendimento de mulheres em situação de assédio, violência ou machismo. O estabelecimento ganhará um selo informando às mulheres que ali elas poderão pedir uma bebida - que será um código de pedido de ajuda – caso se vejam em situação de risco. A capacitação vai dar instruções de enfrentamento do problema, abordando o respeito à igualdade de gênero e dicas para atender aos casos de assédio contra as mulheres. Apenas os estabelecimentos que inscreverem ao menos 30% dos seus funcionários receberão o selo.


“Nós queremos desenvolver um processo de conscientização forte na defesa das mulheres e contra a violência. Na pandemia as mulheres sofreram muito com desemprego, miséria, fome e todos os problemas. Estamos reforçando nosso compromisso com as mulheres neste projeto”, disse o prefeito Ary Vanazzi durante o lançamento.


Para o deputado estadual Edegar Pretto (PT) e coordenador do Comitê He for She no Rio Grande do Sul, a iniciativa é mais um instrumento de mudança cultural no que diz respeito à relação com as mulheres. De acordo com dados apresentados pelo parlamentar, 78 mulheres foram vítimas de feminicídio em 2020 no estado, e até setembro deste ano 71 foram assassinadas pelo fato de serem mulheres. “Ano passado, 1900 mulheres foram estupradas no Rio Grande do Sul, 302 sofreram tentativas de assassinato e mais de 18 mil mulheres foram atendidas pelo estado”, enumerou Pretto. . “Queremos mobilizar os homens que tem entendimento diferente desse que a sociedade nos ensina, a também enfrentar de frente este problema”, disse o deputado.


Estiveram presentes no ato a vereadora e presidenta do Legislativo Municipal, Ana Affonso (PT), a secretária de Direitos Humanos, Paulete Souto, a presidenta do Comdim, Eliene Amorim, a coordenadora municipal da Mulher de Nova Santa Rita, Daiane Silva de Oliveira, a secretária especial de Políticas para Mulheres de Canoas, Vani Piovesan, e Karen Lose, do Comitê Gaúcho do He for She.


Fonte: PMSL

0 comentário