Biden indica Ketanji Brown Jackson para ser primeira mulher negra na Suprema Corte dos EUA


Imagem: Tom Williams/ Pool.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, escolheu Ketanji Brown Jackson como sua candidata à Suprema Corte, de acordo com uma fonte que foi notificada sobre a decisão.


Essa decisão inicia um processo histórico que pode acabar na confirmação da primeira mulher negra a ocupar o cargo no mais alto tribunal da nação.


Jackson, de 51 anos, atualmente atua no Tribunal de Apelação federal da capital americana de Washington e foi considerada a favorita para a vaga desde que o juiz Stephen Breyer anunciou sua aposentadoria.


Ela recebeu e aceitou a oferta de Biden em uma ligação na noite desta quinta-feira (24), disse uma fonte familiarizada com a decisão à CNN.


Jackson trabalhou para Breyer e atuou como defensora pública federal em Washington – uma experiência que seus apoiadores dizem ser adequada, dado o compromisso de Biden de colocar mais defensores públicos no tribunal federal.


Ela também foi comissária da Comissão de Sentenças dos EUA e atuou no tribunal distrital federal em DC (Distrito de Colúmbia), como nomeada pelo presidente Barack Obama, antes de Biden a elevar ao Circuito de DC no ano passado.


A escolha de Biden é uma chance para ele inflamar uma base democrata que está menos animada para votar nas eleições de meio de mandato deste ano do que nos últimos ciclos eleitorais.


É também uma mudança de assunto bem-vinda para o presidente, cujos índices de aprovação caíram nos últimos meses, à medida que a pandemia de Covid-19 se arrastava e a inflação afetava os consumidores em todo o país.


A escolha dá a Biden a chance de cumprir uma de suas principais promessas de campanha, e ele espera que os eleitores negros que foram cruciais para sua vitória nas eleições vejam isso como um retorno de seu investimento.


Embora seja histórica, a escolha de Jackson não mudará a composição ideológica da corte.

Atualmente, o tribunal tem seis juízes conservadores e três juízes liberais – e Breyer, que está se aposentando, vem do campo liberal.


O tribunal já está pronto para continuar sua guinada para a direita em casos notórios e decisões esperadas do tribunal nos próximos meses sobre questões de aborto, controle de armas e liberdade religiosa.


Os olhos agora se voltarão para o Senado, onde o Partido Democrata de Biden detém a maioria mais apertada possível.


O presidente espera que Jackson possa obter apoio bipartidário, mas os democratas precisarão de todos os seus membros em Washington para garantir sua confirmação.


Ao contrário da maioria das principais leis, os democratas não precisam da ajuda republicana para confirmar um juiz da Suprema Corte e podem fazê-lo com seus 50 votos e a vice-presidente Kamala Harris quebrando um impasse.


Quando Jackson foi confirmada no tribunal de apelação, ela teve o apoio de três senadores republicanos.


Como juíza – onde alguns dos casos mais politicamente carregados são arquivados – Jackson emitiu decisões notáveis ​​sobre a capacidade do Congresso de investigar a Casa Branca.

No ano passado, ela estava no painel unânime do Circuito de DC que ordenou a divulgação de certos documentos da Casa Branca de Trump ao Comitê da Câmara sobre a invasão do Capitólio de 6 de janeiro.


Após o anúncio de aposentadoria de Breyer no final de janeiro, Biden começou a revisar materiais, como registros legais e escritos, sobre suas escolhas em potencial, que incluíam Jackson, a juíza da Suprema Corte da Califórnia, Leondra Kruger, e a juíza distrital dos EUA da Carolina do Sul, J. Michelle Childs.


Biden se comprometeu a nomear uma juíza negra da Suprema Corte dos EUA quando estava concorrendo à presidência em 2020.


Em um palco de debate na Carolina do Sul, Biden argumentou que seu esforço para garantir que “há uma mulher negra na Suprema Corte” estava enraizado em um esforço para “ter todos representados”.


Fonte: CNN Brasil

0 comentário