Bolsonaro anuncia adoção da bandeira verde na conta de luz a partir do dia 16


Imagem: Getty Images.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, na noite desta quarta-feira (06), o fim da bandeira de escassez hídrica, em vigor desde setembro do ano passado, e a adoção da bandeira verde na conta de luz a partir de 16 de abril


O anúncio, feito no Twitter de Bolsonaro, é uma antecipação ao prazo esperado para troca da bandeira, que seria o final deste mês. Nas contas do presidente, a conta de luz terá redução de cerca de 20% com a medida. Bolsonaro não citou em sua postagem, contudo, se a medida foi acordada com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão responsável pela decisão e que se reuniria no final do mês.


"Com o esforço de todos os órgãos do setor elétrico, conseguimos superar mais esse desafio e o risco de falta de energia foi totalmente afastado. Os reservatórios estão muito mais cheios do que no ano passado. Os usos múltiplos da água foram preservados", prosseguiu escrevendo o presidente em sua publicação..


De acordo com Bolsonaro, não será mais necessário o acionamento de geração termelétrica adicional no sistema elétrico nacional, o que aumenta o custo da energia e é repassado para o consumidor, com impactos na inflação. "Com a redução da geração termelétrica mais cara e o aumento da produção das hidrelétricas e das demais fontes renováveis, os custos serão menores durante o próximo período seco, que vai de maio a novembro, o que se traduzirá em menores tarifas para os consumidores", acrescentou o presidente no Twitter. Entenda a crise

  • Em vigor desde setembro de 2021, a bandeira de escassez hídrica foi criada para compensar o aumento do custo de geração por conta da crise hídrica que o país enfrentava, com taxa extra de R$ 14,20 a cada 100 kWh;

  • O valor adicional vale para todos os consumidores conectados ao Sistema Interligado Nacional (SIN), com exceção dos moradores de Roraima, que estão fora do SIN;

  • Já havia expectativa de que, com a volta da chuva e o aumento nos níveis dos reservatórios, a Aneel poderia antecipar o fim da bandeira mais cara;

  • No segundo semestre de 2021, reservatórios das usinas hidrelétricas do Sudeste e do Centro-Oeste operavam com 22,7% da capacidade de armazenamento. Sendo responsáveis por cerca de 70% da geração hídrica do país, os reservatórios atingiram os níveis mais baixos dos últimos 91 anos


Fonte: GZH

0 comentário