Bolsonaro comemorou a soltura de Lula, diz Sergio Moro


O ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos), pré-candidato ao Planalto nas eleições do ano que vem, afirmou, ontem, que o presidente Jair Bolsonaro (PL) comemorou, em 2019, ao saber que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi solto. Isso porque, na avaliação do chefe do Executivo, o fato ajudaria a manter a polarização nas eleições de 2022.


"O que a gente sabia é que o Planalto, o presidente, comemorou quando o Lula foi solto, em 2019, porque ele entendia que aquilo o beneficiava literalmente. Então, ele não trabalhou para manter a execução em segunda instância", declarou, ontem, em entrevista à Rádio Jovem Pan Paraná. Ainda segundo Moro, o chefe do Executivo não tentou reverter a decisão.

Alvo da Operação Lava-Jato, conduzida por Moro, o petista ficou preso 580 dias e foi solto após o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar a possibilidade de prisão de condenados em segunda instânci


Em abril deste ano, o STF, anulou, por oito votos a três, as condenações de Lula no âmbito da Operação Lava-Jato, o que permitiu ao petista recuperar o direito de se candidatar nas eleições de 2022. A maioria da Corte concluiu que a Vara Federal de Curitiba, da qual Moro era juiz, não tinha competência para julgar os casos envolvendo o ex-presidente.


Em 23 de junho último, o plenário do STF concluiu julgamento em que, por sete votos a quatro, declarou a suspeição de Moro ao condenar Lula no caso do triplex do Guarujá (SP). No dia seguinte, a suspeição foi estendida a todos os processos envolvendo o petista. Os casos, portanto, voltaram à estaca zero.


Sabotagem


Também na entrevista de ontem, Moro relatou que Bolsonaro "sabotou" o trabalho dele à frente do Ministério da Justiça e Segurança Pública e que não cumpriu a promessa de que o combate à corrupção atingiria a todos, sem distinção a membros do governo.


"Ele não fez nada disso. Ao contrário, começou a sabotar o que eu fazia. Até que chegou a um momento em que eu, simplesmente, saio (do ministério)", concluiu.


O ex-juiz deixou a pasta em abril de 2020 e acusou Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal para proteger familiares e aliados. No último dia 3, o presidente prestou depoimento à PF no inquérito aberto para apurar a denúncia.


Agora desafeto de Bolsonaro, Moro tenta ser o nome da terceira via, uma alternativa à polarização Bolsonaro-Lula. O petista, por sinal, lidera todas as pesquisas de intenção de voto.


Fonte: Correio Braziliense

0 comentário