Bolsonaro viaja para Moscou nesta segunda em meio à tensão entre Rússia e Ucrânia


Imagem: Alan Santos/ PR.

O presidente Jair Bolsonaro viaja nesta segunda-feira (14) para a Rússia. O voo dele deve sair da Base Aérea de Brasília durante a noite, com tempo de duração estimado em aproximadamente 20 horas. A viagem acontece em meio a tensões da Rússia com a Ucrânia.


Mesmo ciente dos riscos da viagem em razão dos conflitos envolvendo os dois países, o chefe do Executivo decidiu manter a ida à Rússia para atender a um convite feito pelo presidente russo, Vladimir Putin.


"Fui convidado pelo presidente Putin. O Brasil depende em grande parte de fertilizantes da Rússia, da Bielorrúsia. Levaremos um grupo de ministros também para tratarmos de outros assuntos que interessam aos nossos países, como energia, defesa e agricultura", disse Bolsonaro, durante uma transmissão nas redes sociais no último sábado.


No mesmo vídeo, o presidente pediu paz entre Rússia e Ucrânia. "A gente pede a Deus para que reine a paz no mundo para o bem de todos nós."


Devem viajar com Bolsonaro os ministros das Relações Exteriores, Carlos França; do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno; da Defesa, Walter Braga Netto; e o da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres. Após os compromissos em território russo, o presidente estuda visitar a Hungria para encontrar o primeiro-ministro Viktor Orbán.


Conflitos podem resultar em invasão


Rússia e Ucrânia estão em conflito por motivos geopolíticos e econômicos. A crise mais recente tem entre seus pilares a aproximação da Ucrânia à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em busca de estreitar as relações com os países do Ocidente e obter maiores garantias de segurança. A Rússia teme esse movimento por entender que está sendo ameaçada pelo país vizinho.


Em meio às tensões, na última sexta-feira o Ministério das Relações Exteriores divulgou uma nota para celebrar o aniversário de 30 anos do estabelecimento das relações diplomáticas do Brasil com a Ucrânia.


Segundo o Itamaraty, "desde que o governo brasileiro reconheceu a independência ucraniana, em dezembro de 1991, Brasil e Ucrânia mantiveram múltiplos contatos de alto nível entre mandatários".


"Em 2009, os dois países estabeleceram parceria estratégica, com importantes desdobramentos nos setores espacial, de defesa e saúde. O comércio bilateral, equilibrado nas vendas de lado a lado, praticamente triplicou em 2021 na comparação com o período inicial das relações diplomáticas, na década de 1990", lembrou a pasta.


Fonte: Correio do Povo

0 comentário
Sem título.png
Caixinha de perguntas Start.png