Brasil deve receber mais 226 milhões de vacinas no último trimestre


Brasil deve receber mais 226 mi de vacinas no último trimestre | Foto: Alina Souza

O Ministério da Saúde prevê o recebimento de mais de 226,7 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 entre outubro e dezembro deste ano. Até quarta-feira da semana passada, a pasta já havia enviado às unidades da federação 265,8 milhões de doses.


As entregas esperadas para o quarto trimestre envolvem os seguintes quantitativos:


• Pfizer: 100 milhões de doses

• Fiocruz (AstraZeneca): 50 milhões de doses

• Janssen: 36,2 milhões de doses

• Covax Facility (em confirmação): 27,4 milhões de doses

• Instituto Serum da Índia (AstraZeneca): 8 milhões de doses

• Covax Facility (AstraZeneca): 5,11 milhões de doses


O Instituto Butantan já concluiu todas as remessas dos contratos de 100 milhões de doses da CoronaVac que tinha com o Ministério da Saúde. O ministro Marcelo Queiroga tem dito que a vacina só voltará ao PNI (Programa Nacional de Imunizações) se obtiver o registro definitivo junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Desde janeiro, a CoronaVac é aplicada sob autorização de uso emergencial.


Recentemente, Queiroga chegou a falar que havia vacinas de sobra no Brasil, o que foi rebatido por alguns prefeitos de cidades onde faltava AstraZeneca para segunda dose. Questionado, o ministro ressaltou que o desabastecimento só ocorre em municípios que não seguem o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19. "Isso não é aposta de corrida de Fórmula 1. É uma campanha de imunização", disse na semana passada.


Em discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, na terça-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro garantiu que todos os brasileiros estarão completamente imunizados até novembro. Todavia, cerca de 15 milhões de brasileiros com 18 anos ou mais ainda não receberam a primeira dose. Outros 55,8 milhões precisam tomar a segunda dose.


Com isto, o país necessita de aproximadamente 70 milhões de doses para concluir a imunização dos adultos. Também está em andamento a aplicação das doses de reforço em idosos acima de 70 anos que tomaram a segunda injeção há mais de seis meses, além de uma terceira dose para indivíduos imunossuprimidos de qualquer idade que tomaram a segunda há mais de 28 dias.


O Ministério da Saúde mantém a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos com comorbidades, mas passou a não recomendar que os sem comorbidades sejam vacinados. A medida foi criticada por sociedades médicas e especialistas, e a maioria dos estados optou por continuar a vacinação com o único imunizante autorizado, que é o da Pfizer.


Fonte: Correio do Povo

0 comentário