Brasileiros brilham nas águas de Tóquio com ouro de Ítalo no surfe e bronze de Scheffer na natação


Brasileiro se tornou o primeiro medalhista de ouro da história da modalidade | Foto: Yuki Imamura / AFP

O Brasil viveu um dia de sucesso aquático nesta terça-feira nos Jogos Olímpicos de Tóquio. No surfe, Ítalo Ferreira conquistou a primeira medalha de ouro do país nesta edição da Olimpíada, em uma competição marcada pela consistência do número 2 do mundo e com polêmicas nas notas de Gabriel Medina, que não chegou ao pódio sendo derrotado na semifinal e no terceiro lugar. Na natação, o gaúcho Fernando Scheffer surpreendeu nos 200m livre, conquistou o bronze e a bandeira verde amarela voltou a tremular nesta prova após mais de 25 anos.


Os resultados de Ítalo Ferreira e Scheffer deixam o país com cinco medalhas em cinco dias de provas. São um ouro, duas pratas e dois bronzes - na 12ª colocação no quadro geral. Primeiro brasileiro a brigar por conquistas nesta noite, manhã no Japão, o gaúcho nascido em Canoas começou atrás, mas já na segunda piscina apareceu entre os três primeiros, imprimindo ritmo muito forte, que sustentou até as últimas braçadas, em final muito apertada dos 200m livre.


Ele fechou seu tempo com 1:44:66. A dobradinha nos primeiros lugares foi da Grã-Bretanha: Tom Dean ficou com o ouro e Duncan Scott levou a prata. Ainda no parque aquático, Leonardo de Deus conseguiu a segundo melhor marca dos 200 metros borboleta e está classificado para a final.


A noite teve também disputas acirradas nos 100m nado costas. No feminino, a australiana Kaylee Mckeown faturou com direito a recorde olímpico. Com a prata ficou a canadense Kylie Masse e o bronze foi para a americana Regan Smith. No masculino, os russos desbancaram os Estados Unidos pela primeira vez desde 1996. Evgeny Rylov faturou o ouro com recorde europeu. Kliment Kolesnikov fez a prata, com o favorito Ryan Murphy em terceiro lugar.


Primeira medalha de ouro brasileira


Se na natação o resultado de Fernando Scheffer foi surpreendente, na praia de Tóquio, Ítalo Ferreira, atual campeão mundial e número dois do mundo, confirmou seu favoritismo. No entanto, não faltou emoção até a medalha de ouro chegar. Em campanha consistente, o brasileiro, que viu todas as provas do surfe serem antecipadas devido condições climáticas, teve um dia perfeito. Nas quartas de final, despachou Billy Stairmand, da Nova Zelândia, vencendo por 14.54 a 9.67.


Até os duelos entre os quatro melhores, o Brasil vivia a expectativa de uma dobradinha no pódio. Ítalo fez sua parte e superou o australiano Owen Wright, por 13.17 a 12.47, em confronto estudado. Do outro lado da chave, Gabriel Medina, que também "voou" nas quartas de final, acabou sendo derrotado pelo japonês Kanoa Igarashi, com direito a polêmica em suas notas. A liderança era de Medina até os minutos finais do duelo, quando Igarashi, que precisava de um 9.1, encaixou um 9.33 e avançou para a decisão com uma manobra parecida a do brasileiro, mas de avaliação superior. Frustrado pela decepção na semi, Medina também foi superado na decisão da medalha de bronze. Desta vez, por apenas 0,2 pontos, - 11.97 a 11.77, para o australiano Owen Wright.


Após ver seu compatriota ficar em quarto lugar, Ítalo entrou na água contra Igarashi para "vingar" a frustração brasileira com as decisões dos árbitros. E conseguiu. A disputa, que começou com um lance um tanto quanto inusitado - a quebra da prancha do brasileiro - não teve equilíbrio em nenhum momento. O japonês não encaixou manobras relevantes e o brasileiro triunfou por 15.16 a 6.60.


A conquista do surfista também foi considerado um avanço para o esporte. Ele foi o primeiro medalhista de ouro da história da modalidade. No lado feminino, Carissa Moore, de 28 anos, se tornou a primeira campeã olímpica da história do surfe. Ela foi a responsável por eliminar Silvana Lima na competição ainda nas quartas de final.



Fonte: Correio do Povo

0 comentário