Carroceiros, Prefeitura e Unisinos querem acabar com o uso de veículos de tração animal


Prefeitura quer terminar com a circulação do veículo | Imagem: Divulgação

Dando continuidade ao processo do fim gradativo da utilização dos veículos de tração animal em São Leopoldo, nesta quarta-feira, 15 de setembro, os carroceiros, representantes dos condutores de veículos de tração animal, junto ao secretário-geral de Governo, Nelson Spolaor e do secretário de Proteção Animal, Walter Verbist, estiveram no campus da Unisinos dialogando com os professores e estudantes sobre as propostas de elaboração e desenvolvimento de um veículo que possa ser implementado como alternativo às carroças.


A ideia inicial é ter um diagnóstico das demandas do grupo para aperfeiçoar e seguir avançando no desenvolvimento da proposta. Durante o encontro, o professor Rodrigo Marques Figueiredo, coordenador dos cursos de Engenharia de Controle e Automação, Engenharia Eletrônica e Engenharia da Computação da Unisinos, apresentou para os carroceiros a proposta de veículo elétrico que deve ser aprimorado e apresentado ao poder público nos próximos encontros.

Cléber Martins, 35 anos, coordenador do grupo dos carroceiros e dirigente do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), destaca sobre a relevância do encontro. “Acredito que seja muito importante esse diálogo que estamos construindo, pois conseguimos entender de fato quais serão os próximos passos, e assim, podemos deixar os outros carroceiros a par de tudo. Com esse novo modelo começamos a nos modernizar, além de cuidar dos animais, porque não queremos ver eles machucados, maltratados.”

“Enquanto poder público entendemos que nosso compromisso é de construir soluções para a política de proteção animal, e não deixando que as pessoas que dependem dos veículos de tração animal desamparados. Por isso, elaboramos este grupo de trabalho, para construir esta política de inclusão, oportunidade e alternativas, em conjunto com a universidade e os carroceiros.”, salientou Nelson Spolaor.

Nas próximas semanas os professores da universidade devem organizar os apontamentos de melhorias feitos pelos carroceiros, a fim elaborar o protótipo e encaminhar, junto aos custos possíveis, e viabilidade junto ao Poder Público.

Cadastramento

Visando entender o número de famílias que fazem o uso das carroças no município, a Secretaria de Proteção Animal (Sempa), em parceria com Secretaria de Desenvolvimento Social (SDS) e com movimentos populares da cidade, até o momento 86 famílias foram cadastradas. A expectativa é de que até o final do ano sejam 150 famílias cadastradas.

A ação está conectada com a legislação em vigor a partir da Lei Municipal nº 9.376/2021, que dispõe sobre o fim gradativo da circulação de veículos de tração animal, e tem como propósito mapear a quantidade de carroças e condutores na cidade, pensando estratégias de substituição da renda familiar dos condutores.


Fonte: PMSL

0 comentário