top of page
Buscar

Chuva e vento forte causam transtornos em São Leopoldo

Imagem: Rodrigo Machado/ PMSL.

O temporal que atingiu o Estado do Rio Grande do Sul e também São Leopoldo na noite desta terça (16) e madrugada desta quarta-feira (17) causou alagamentos pontuais em avenidas e ruas do município. Por conta do vento forte e da chuva houve queda de muitas árvores e falta de energia, obstruindo vias e atingindo diferentes localidades. O acumulado de chuva foi de 37mm, sendo que o pico foi de 20mm em menos de 30 minutos, às 23h45. As equipes atuaram em plantão durante toda a madrugada. Não há registro de feridos, desabrigados ou desalojados.

 

A Defesa Civil e equipes das Secretarias de Mobilidade e Serviços Urbanos (Semurb), Obras e Viação (Semov), Semae e Sub-prefeituras ainda trabalham na remoção de árvores e na limpeza das vias públicas. Até a manhã dessa quarta foram registradas mais de 20 quedas de árvores em vias públicas, praças, residências e em redes de energia elétrica e as equipes seguem na rua atendendo as ocorrências.

 

A Defesa Civil entregou até o momento cinco lonas para famílias que tiveram suas residências destelhadas pela ação do vento. Equipes da RGE estão trabalhando para reestabelecer a energia elétrica. Um dos bairros atingidos é o Cohab Duque, onde o reservatório do Semae está sem energia e causa o desabastecimento de água.

 

Conforme a RGE, há falta de energia elétrica nos bairros Campestre, Vila Brás, Santos Dumont e Pinheiro. Com isso as Unidades Básicas de Saúde (UBS) dessas localidades estão trabalhando somente com casos de urgência.

 

Na rua Lacy Pereira Figueiredo, no bairro Santa Tereza, foram removidas duas árvores que caíram sobre a via e o trânsito já foi liberado. Na Estrada do Morro do Paula, em torno de cinco árvores caíram. Outras quedas de árvores ocorreram no Cemitério Cristo Rei, na rua da Saudade também no bairro Cristo Rei, e na Praça Amadeo Rossi, na avenida João Corrêa.

 

Nessa terça pela manhã, o prefeito Ary Vanazzi realizou uma reunião de emergência onde preparou as equipes para atuação, conforme o Plano de Contingência (Placon). Todas as equipes ficaram de prontidão e atuaram durante a madrugada.

 

Vistoria nas Casas de Bombas

 

Nessa manhã, o prefeito Ary Vanazzi, acompanhado do diretor-geral do Serviço Municipal de Água e Esgotos (Semae), Geison Freitas, do secretário-geral de Governo, Nelson Spolaor, do diretor do Controle de Cheias, Antônio Geske, e do gerente de Manutenção de Esgotos e Macrodrenagem do Semae, Josnei Barcelos, vistoriou as casas de bombas dos bairros Vicentina e Campina. As cinco casas de bombas da cidade operaram normalmente, porém foram identificados grande acúmulo de lixo doméstico e de podas de árvores. As ações constantes da prefeitura na limpeza dos arroios e dos canais de drenagem auxiliaram nos trabalhos.

 

O prefeito Vanazzi lembrou dos investimentos realizados na cidade para minimizar os alagamentos com a qualificação do sistema de drenagem. “Investimos na qualificação do sistema de drenagem em diversos pontos da cidade. Investimento de R$ 4,5 milhões para o primeiro semestre de 2023. Isso é dinheiro que se enterra, que não se vê. Uma das iniciativas envolveu a conclusão da terceira fase da galeria de drenagem no Jardim Viaduto.  Também fizemos a construção de novas redes de drenagem nas ruas Presidente Roosevelt e Osvaldo Aranha, no Centro. Para obras de limpeza e manutenção preventiva das valas de drenagem dos canais dos diques e da Região Nordeste foram investidos R$ 700 mil”, destacou o prefeito.

 

Sobre as casas de bombas, Vanazzi recordou que toda a estrutura estava sucateada até 2017. “Nosso trabalho de prevenção e cuidados com as Casas de Bombas, drenagem e limpezas tem funcionado. Os danos foram pequenos se comparado a episódios anteriores, com alagamentos pontuais. Mas continuamos em alerta”, disse.


Fonte: PMSL

0 comentário
WhatsApp Image 2024-02-26 at 16.17.18.jpeg
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page