top of page
Buscar

Ciclone do RS é o maior desastre natural relacionado a chuvas nos últimos 40 anos, diz governo


Imagem: Maurício Tonetto/ Palácio Piratini.

O ciclone extratropical que atingiu o Rio Grande do Sul entre quinta (15) e sexta-feira (16) é o maior desastre natural relacionado a chuvas dos últimos 40 anos, segundo informou o governo do Estado nesta terça-feira (20), com base em dados do Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR) e estudos. Até esta terça-feira (20), 16 pessoas haviam morrido. Mais de 40 cidades tiveram estragos.


“Se considerarmos os demais episódios de inundações, enxurradas e vendavais do período estudado, houve mais eventos nos últimos anos, mas este de agora é o que mais provocou danos", afirmou o diretor do Departamento de Planejamento Governamental (Deplan), Henrique Gomes Acosta, da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão.


O Sistema Integrado de Informações sobre Desastres, que pertence ao ministério, reúne dados sobre mortos e feridos após eventos extremos no período entre 2017 e 2021. Nesse intervalo, foram registradas 14 mortes no RS: cinco após vendavais, quatro após enxurradas, duas após chuvas intensas, duas por tornados e uma por inundação.


Em 2016, há o registro de outro ciclone extratropical, que atingiu Imbé, no Litoral Norte, porém sem danos ambientais ou humanos.


Um ciclone bomba em 2020 causou uma morte no estado. E em 2004, o furacão Catarina trouxe destruição para o Litoral Norte, e causou 11 mortes, porém todas em Santa Catarina, afirma o governo.


O governo ainda destaca a microexplosão, vinculada à uma tempestade, que causou destruição em Porto Alegre em janeiro de 2016. Não houve mortes, e o sistema não registrou esse evento.


Para dados de décadas anteriores, o governo do estado toma como base estudos universitários e levantamentos, como um realizado na Universidade Federal de Santa Maria, que analisou eventos naturais entre 1980 e 2005.


O estudo cita, por exemplo, um deslizamento em Estância Velha, com 10 mortes, e um vendaval em Tapejara, com sete mortes em 1997.


Reconstrução

O governo do estado, junto com municípios, União e entidades, se articula para prover o socorro às vítimas e às áreas afetadas. Até a noite dessa terça, 14 municípios tinham decretado situação de emergência. Maquiné teve o pedido homologado.


“Embora tenha sido um evento de grande extensão e número de óbitos, os quais lamentamos, também está sendo possível verificar a grande e efetiva articulação dos órgãos de Estado e da comunidade para que os danos humanos sejam minimizados e a resposta seja a mais rápida e a melhor possível”, ressaltou o chefe da Casa Militar e coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil, coronel Luciano Chaves Boeira.


Mais de 40 municípios sofreram impactos pelas chuvas provocadas pelo ciclone extratropical. Até a noite dessa, mais de 15 mil pessoas estavam fora de casa.


Fonte: g1

0 comentário

Comments


Grupo Star superior.png
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page