top of page
Buscar

Com queda em homicídios, feminicídios e latrocínios, RS teve no ano passado menor número de mortes violentas desde 2010

O Rio Grande do Sul registrou no ano passado o menor número de assassinatos desde 2010. Houve queda nos homicídios, latrocínios (roubos com morte) e feminicídios. Segundo os dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP), esta é a primeira vez desde o início da série histórica que o Estado encerra o ano com menos de 2 mil vítimas dos chamados crimes violentos letais intencionais (CVLI)foram 1.981.


Os indicadores criminais foram divulgados na manhã desta quinta-feira (11) em coletiva à imprensa no Palácio Piratini. Em relação aos homicídios, a queda em 2023 foi 7% no Estado. Foram  1.638 homicídios no ano passado no Estado.


Nos feminicídios, a redução foi de de 21,6% em comparação a 2022. Foram 87 casos de mortes de mulheres em contexto de gênero, enquanto no ano anterior tinham sido 111.


Já os latrocínios, que são os roubos com morte, tiveram redução de 24,5% no último ano. Em 2023, foi registrado o menor número de latrocínios no Estado desde 2010, com 40 casos. Quando isolado somente o mês de dezembro, a queda foi de 80% – de cinco em 2022 para um caso de latrocínio no Estado em dezembro de 2023.


O roubo de veículos também atingiu o menor número da série histórica, e teve queda de 18,3% na comparação com o ano de 2022. Os roubos a pedestres tiveram queda de 14,4%.


Durante coletiva de imprensa, o governador Eduardo Leite atribuiu o recuo da criminalidade à integração entre as forças de segurança. “O sistema de governança que implementamos com o Programa RS Seguro tem garantido esses números a partir de uma análise técnica e estatística dos indicadores, com reuniões mensais entre governador e comandantes. A partir deste trabalho, se aprimorou muito a integração das forças de segurança no Estado. E esperamos um resultado ainda melhor nesse processo a partir da implantação das Regiões Integradas de Segurança Pública (Risp)”, observou. 


Leite ressaltou, ainda, a importância da reposição e do aumento do efetivo policial realizados nos últimos anos. “Ao observarmos a série histórica, vemos cada governo entregando para o seu sucessor menos policiais do que recebeu. Por causa da crise fiscal, o Estado não conseguia nem repor o efetivo que se aposentava. Nos últimos anos, garantimos a reposição anualmente e, no final do governo passado, começamos o processo de incremento desse efetivo. Ainda vamos chamar servidores de alguns concursos que foram feitos e programar novo certame”, afirmou. 


Paro o secretarias da Segurança Pública, Sandro Caron, combate incisivo às organizações criminosas é uma das principais estratégias para a redução da criminalidade. "Estamos implementando medidas rigorosas contra o crime organizado. Com ações de inteligência, alcançamos apreensões recordes de armas, drogas, carros de luxo e imóveis, além do bloqueio de contas. A asfixia financeira é essencial para reduzir o poder das organizações criminosas, e as forças de segurança têm atuado com integração e inteligência para ampliar os resultados evidenciados nos indicadores", disse.


Os dados


Mortes violentas 

  • 2022 - 2.115

  • 2023 - 1.981 

  • Queda de 6,3%

Homicídios

  • 2022 - 1.761

  • 2023 - 1638

  • Queda de 7%


Latrocínios 

  • 2022 - 53

  • 2023 - 40

  • Queda de 24,5% 


Feminicídios

  • 2022 - 111

  • 2023 – 87

  • Queda de 21,6%


Roubos de veículos

  • 2022 - 4.406

  • 2023 - 3.600

  • Queda de 18,3%


Roubos a pedestres 

  • 2022 - 29.941

  • 2023 - 25.610

  • Queda de 14,4%


Roubos a comércio 

  • 2022 - 2.174

  • 2023 - 1793

  • Queda de 17,5%


Fonte: GZH e Governo do RS


0 comentário

Σχόλια


Grupo Star superior.png
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page