Buscar

Comitê de Atenção ao Covid-19 de SL delibera por reforço na fiscalização de normas preventivas


Imagem: Romeu Finato/ PMSL.

O Comitê Municipal de Atenção à Covid-19, instância paritária do governo e da sociedade civil de São Leopoldo, realizou mais uma reunião nesta sexta-feira (14), para debater o quadro do novo coronavírus em São Leopoldo com a expansão da variante ômicron. O secretário geral de governo Nelson Spolaor, que mediou o encontro feito de forma virtual, salientou que o governo já suspendeu os eventos de maiores aglomerações em janeiro nos espaços públicos.


O representante do Pólo Gastronômico, André Rotta, apresentou dados da cidade, do país e do mundo, alertando para as consequências do contágio e formas de ação preventiva.


Em sua explanação, o secretário da Saúde Marcel Frison ressaltou que a contaminação é alta, mas que não teve impacto em internações e óbitos graças às imunizações. “Está acontecendo uma sobrecarga no atendimento da atenção básica em decorrência das festas de final de ano. Não só pela covid-19, mas também pelas gripes H1N1 e H3N2. Houve aumento de atendimento na Upa e no Centro Saúde Feitoria, por consequência, aumenta o tempo de espera”, ponderou.

No caso da testagem, a tendência é que não haja condição de contemplar a todos pela grande procura. “A contaminação é muito rápida. Vamos ampliar o atendimento médico na Upa e dois médicos irão para o Centro de Testagem Municipal (CTM). Mais testes serão comprados. Mas vamos chegar num patamar tal que será preciso isolar as pessoas com problemas respiratórios”, alertou Frison.


O secretário descartou a utilização da Upa exclusivamente para covid-19. “Temos 500 pessoas que procuram o local diariamente por outras razões. Não há como barrar atendimento desse público. No entanto, vamos a partir de segunda-feira reforçar o quadro médico. A nossa grande dificuldade é encontrar profissionais da área dispostos a trabalhar na cidade nesse período de férias”.


Ele lembrou ainda que a vacinação para crianças de 5 a 11 anos começa dia 19 de janeiro na Escola Gusmão Britto.


Na mesma linha, a presidente da Fundação Hospital Centenário, Lilian Silva, falou do aumento nas consultas e nas coletas. “Do dia 1º a 14 janeiro, fizemos 213 coletas, sendo 33 positivos. Mais que dobrou nesse período. Paciente com perfil ambulatorial, mas que traz a importância do isolamento. Precisamos trabalhar na prevenção: distanciamento, uso de máscara e álcool gel”, reforçou.


A presidente do Conselho Municipal de Saúde, Izabel Oliveira, comemorou a contratação de mais profissionais médicos e pediu que a população só busque atendimento em casos mais graves. “Se tiver sintoma de febre, respiração, procure atendimento. Mas em casos leves, se já tiver com o ciclo vacinal completo, não precisa ir num primeiro momento às unidades ou Upa. Ficamos satisfeitos com a resposta positiva do pedido de reforço de médico na Upa e no CTM”.


Fiscalização


O secretário de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, Juliano Maciel, anunciou que a fiscalização vai atuar de maneira mais incisiva. “Precisamos mobilizar a sociedade a manter os cuidados. A restrição de eventos nos espaços públicos em janeiro é uma sinalização. Vamos fazer cumprir o que já consta no decreto: obrigatoriedade de oferecer álcool gel, respeitar distanciamento”, destacou.


Não há previsão de fechar as praças para circulação de pessoas. A medida vale apenas para eventos.


Fonte: PMSL

0 comentário
Sem título.png
Caixinha de perguntas Start.png