SP: conheça Lucimara, a vira-lata caramelo que conquistou o direito de ficar com o dono no hospital


Imagem: reprodução.

Lucimara, uma vira-lata caramelo, fixou as quatro patas em frente à Santa Casa de São Paulo esperando o dono entre o domingo (06) e a segunda-feira (07). Inicialmente, os funcionários do hospital, localizado no bairro Santa Cecília, Centro da capital paulista, colocaram um cobertor e comida. De tanto insistir, ela conquistou o direito de virar "cãopanheira" de quarto antes da alta do tutor


O paciente é um homem com deficiência visual em situação de rua. O caso ocorreu logo após o tutor da cachorra sofrer um atropelamento. Segundo a Santa Casa de São Paulo, ele chegou ao pronto-socorro às 10h40 de domingo com uma traumatismo craniano e uma dor no tórax.


"Chegou um paciente vítima de um trauma e a dificuldade é que ele é deficiente visual, mas veio junto com ele uma cachorrinha. Aí foi uma comoção entre todos da equipe", disse Fábio Agostini do Amaral Gomes, gestor-médico dos prontos-socorros da Santa Casa de São Paulo, em entrevista ao g1. "Logo na chegada todos se preocuparam com o paciente, mas também notaram a cachorrinha desesperada sem o dono. Ele estava dentro de um serviço de emergência que é referência de trauma e ainda tinha a dificuldade por ser deficiente visual", contou.


Em uma das imagens, a cachorra aparece com o focinho na porta do hospital, buscando sentir o cheiro do dono. Em outra, ela está com a identificação de "visitante", com a data de 06 de fevereiro.


"No decorrer da história, o administrativo resolveu identificar o cachorrinho como pertencente ao paciente, e então colocaram uma pulseira no pescoço", contou o médico. De acordo com Gomes, durante o período em que ficou na porta do pronto-socorro, Lucimara não parou de latir. Só se acalmou quando a equipe do hospital colocou uma camiseta do dono junto ao cobertor. Mesmo assim, ela não estava comendo a ração, nem as quentinhas que os profissionais de saúde estavam oferecendo.


"Existem outras pessoas e pacientes no pronto-socorro. A gente tentou de uma maneira que não atrapalhasse ninguém e que ela ficasse menos assustada, porque a Lucimara teria que entrar num setor movimentado. Tinha uma dificuldade: será que ela vai avançar no técnico de enfermagem quando chegar perto do dono? Só que no final, quando eles se encontraram, foi algo muito emocionante".


"Não existe a menor dúvida de que nesse caso em questão, de um deficiente visual, que está em um local barulhento, que ter a companheira ao lado dele diminuiu a ansiedade, tirou a tensão, e ainda gerou uma preocupação em toda a equipe, que gerou muita felicidade. A gente sabe, quem tem cachorro gato, você tem o afeto e sua família acaba sendo o animal", explicou Gomes.


Fonte: g1

0 comentário