top of page
Buscar

Crescimento da extrema direita impõe instabilidade em Portugal e complicará governabilidade

No fim de uma noite nebulosa, os únicos que tinham bons motivos para comemorar eram os integrantes do partido de extrema direita Chega, que será essencial para definir o rumo do governo português.


As duas principais legendas – Aliança Democrática e Socialista – iniciam a nova legislatura praticamente empatadas, com ligeira vantagem para a primeira, e sem maioria no Parlamento.


Os radicais de direita, por sua vez, quadruplicaram o número de assentos, de 12 para 48, e, como terceira força política, terão poder suficiente para impor a sua narrativa.


Por isso tudo, fez sentido a frase do líder do Chega, André Ventura, assim que saíram as primeiras projeções: “Hoje é o dia que assinala o fim do bipartidarismo em Portugal”.


Se Ventura afirmou que trabalharia por um governo estável, com forte maioria à direita, o líder da Aliança Democrática, Luís Montenegro, assegurou que manterá seu compromisso de campanha, de não se aliar ao Chega – a formação mais viável para garantir a governabilidade.


“Seria tamanha maldade seria descumprir compromissos que assumi de forma tão clara”, antecipou em seu discurso de “vitória”.


Com 99% dos votos apurados e quatro assentos ainda a serem definidos pelos portugueses emigrantes, a AD, de centro-direita, tinha 79 deputados e o PS, 77. Um governo de minoria parlamentar, liderado pela Aliança Democrático, antevê uma difícil governabilidade, com o país mergulhado na instabilidade.


Se prosseguir em sua missão de descartar uma coligação com a extrema direita, Luís Montenegro terá de exercitar a arte cotidiana do equilíbrio para governar: terá de negociar com o PS, a quem seu partido deu as costas durante os oito anos de governo socialista, ou o Chega, que fundamentou suas bases na xenofobia e no populismo.


O carismático Ventura capitalizou a frustração dos portugueses com a criminalidade, o aumento da imigração e a corrupção para garantir a ascensão vertiginosa do partido.


Repetiu o discurso de outros expoentes da extrema direita no mundo, como Donald Trump, Jair Bolsonaro e Javier Milei, e questionou a confiabilidade das urnas – as mesmas que lhe garantiram, no domingo, 48 deputados.


O roteiro é manjado. O Chega entrou no Parlamento em 2019 e galopou no descontentamento do eleitor com os políticos tradicionais. Em cinco anos, tornou-se capaz de direcionar o percurso que o país seguirá.


Fonte: g1

0 comentário

Kommentare


Grupo Star superior.png
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page