top of page
Buscar

Cronograma para instalação de bloqueadores de sinal em prisões gaúchas deve ser divulgado até o final de janeiro

Promessa empacada há anos no Estado, a falta de bloqueadores de sinal de celular e internet em prisões gaúchas traz consequências para as ruas, já que é de dentro das cadeias que surgem ordens para diversos crimes registrados do lado de fora.


Neste ano, o governo do Estado tenta avançar no projeto que prevê aparelhos para 23 unidades prisionais gaúchas. A expectativa é que um cronograma, que indica como funcionará a instalação dos itens, seja divulgado ainda em janeiro pela empresa responsável. Atualmente, apenas o Complexo Prisional de Canoas (Pecan) possui essa tecnologia.


A empresa em questão é a paranaense Córdova e Safadi Ltda, que venceu licitação aberta pelo governo gaúcho. A homologação foi publicada em 29 de dezembro, no Diário Oficial do Estado (DOE). A previsão é que a empresa divulgue, ainda neste mês, um calendário apontando como será feita a instalação dos aparelhos. Antes disso, deve ser assinado o contrato entre a empresa e o Executivo, documento que está em fase de elaboração.


"A empresa está finalizando os procedimentos para apresentar, ainda em janeiro, a programação de instalação", disse o titular da Secretaria de Sistemas Penal e Socioeducativo (SSPS), secretário Luiz Henrique Viana.


O investimento previsto é de mais de R$ 28,5 milhões. A duração do contrato é de um ano, e pode ser prorrogado.


A secretaria não divulgou previsão de quando os equipamentos serão instalados nem quando passarão a funcionar, "por questões de segurança".


Iniciativa contempla 23 presídios


O projeto prevê que 23 unidades prisionais gaúchas irão receber os bloqueadores de sinal. O critério usado para escolha dos locais foi com base em quais têm maior número de presos, segundo a SSPS.


Atualmente, apenas o Complexo Prisional de Canoas (Pecan) possui aparelhos em funcionamento. Conforme o governo, a tecnologia que será usada pela empresa paranaense é similar à utilizada em Canoas, mas conta com "inovações que a tornam mais eficaz". Também por "questões de segurança", a secretaria optou por não especificar o tipo de equipamento que será instalado. A manutenção dos aparelhos, quando necessária, será realizada pela empresa.


Com a instalação dos bloqueadores em mais prisões pelo RS, as forças de segurança do Estado acreditam que a proteção das pessoas nas ruas se torne mais efetiva.


"O uso da tecnologia é importante aliado no enfrentamento as organizações criminosas. Os bloqueadores de celular cumprem esse papel também, já que impedem a utilização ilícita de aparelhos eletrônicos dentro das unidades prisionais, que muitas vezes chegam através de drones modernos. Pra enfrentar isso, temos atuado constantemente em operações que retiram esses objetos do interior dos presídios, além de ações como a retirada das tomadas das celas para que não exista forma de carregar esses telefones. Por isso, esses bloqueadores permitirão uma ação ainda mais efetiva na garantia da segurança pública", avalia Mateus Schwartz, titular da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe).


O secretário Viana pontua que a contratação dos bloqueadores é mais uma das medidas buscadas pelo governo do Estado para melhorar o sistema prisional gaúcho e garantir mais segurança à sociedade.


"Essa contratação é muito importante dentro de um contexto de políticas que o Estado tem implementado no que se refere ao sistema prisional. Temos feito investimentos na construção de novos presídios, chamamento de mais servidores, entre outras medidas que mostram para a sociedade nossa intenção de melhorar esse sistema. Ao mesmo tempo, queremos dar melhores condições para as pessoas privadas de liberdade e também queremos que a sociedade sinta o reflexo, tanto de maior segurança nas ruas quanto na sensação de segurança das pessoas", diz Viana.


Fonte: GZH

0 comentário
WhatsApp Image 2024-02-26 at 16.17.18.jpeg
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page