Buscar

Dia de conscientização: São Leopoldo registra grande movimento no dia C de vacinação para crianças


Foto: Thales Ferreira

SÃO LEOPOLDO: neste sábado, dia 19 de fevereiro, após um mês do primeiro dia da vacinação pediátrica, a Secretária Municipal de Saúde (Semsad) realizou um mutirão de vacinação para crianças de 05 a 11 anos de idade. Vários pontos estratégicos da cidade foram escolhidos para aplicar as doses de CoronaVac e Pfzier infantil. A procura dos pais pela vacina para seus filhos foi grande, o principal motivo que foi citado pelas famílias foi a volta das aulas presenciais que acontecerá na próxima semana. Todas crianças vacinadas podem receber a segunda dose da vacina após oito semanas.


As vacinações ocorreram as vacinas foram na Escola Municipal de Ensino Fundamental Escola (Emef) Maria Gusmão (Morro do Espelho), na Paróquia Padre Anchieta (Duque de Caxias) e nas Unidades Básicas de Saúde Padre Orestes, Vicentina e Imigrante.


Na UBS Imigrante, Katia Silva, já vacinada com as três doses, levou seu filho Henrique Scherer Silva, de 7 anos para tomar a primeira dose. “Nós mães, temos um pouco de receio de dar a vacina, mas os cuidados com os nossos filhos são mais importantes que qualquer coisa”, comentou. Ela ainda lembrou de que Henrique voltará às aulas presenciais diariamente, diferente de antes que era uma semana sim e outra não. “Ninguém da nossa família se contaminou com a Covid-19, já que temos o cuidado excessivo nos nossos trabalhos e na rua. Acho importante que as crianças estejam protegidas nas escolas”, afirmou a Katia.


Enquanto isso, na UBS Padre Orestes, em questão de 1h mais de cem crianças já haviam sido vacinadas. Pâmela Cristina Mello, que vacinou sua filha Paula Mello Tavares, de 8 anos, levando em consideração que no conato com alguém que esteja com a covid não transmita a doença e mesmo que isso aconteça que seja com sintomas mais leves. “A minha preocupação é um pouco maior, porque quando a Paula era mais nova ela teve bronquiolite e temo que os pulmões dela pudessem sofrer de novo. E ela está pedindo para voltar às aulas, então vai manter contatos com outras crianças e a gente não sabe como é o cuidado das outras famílias”, disse. A pequena Paula ainda reforçou pedindo para que se amigos se vacinem para que eles possam voltar a brincar o mais cedo possível.


Naqueles 20 minutos de espera após a vacina, imposto pelo Ministério da Saúde, as crianças brincavam no pátio da Escola Gusmão Britto, quem ganhava a brincadeira levava um adesivo a mais escrito “Criança vacinada Contra a Covid-19 está protegida”. Uma das crianças vacinadas no local, foi Matheus Souza de 11 anos, quem o acompanhou foi sua mãe Tamara Souza. A preocupação deles era diferente, já que quatro familiares deles contrariam o vírus. “A vacina traz um sentimento de proteção tanto para o Matheus quanto para o resto da nossa família. Quando nossos familiares ficaram doentes, fizemos o certo e mantivemos a distância sem nenhuma dificuldade” esclareceu Tamara. Mateus também pediu para falar, já que está bem animado com o início das aulas na terça-feira, dia 22. Ele contou que a maioria dos seus amigos já estão vacinados, mas para aqueles que não estão ele deixou um recado. “Amigos, venham se vacinar, para nada de ruim acontecer com ninguém, não se preocupem que não dói nada”, recomendou.


Fonte: SCOM/PMSL

0 comentário
Sem título.png
Caixinha de perguntas Start.png