Buscar

Dia Mundial sem Tabaco: Conheça os sintomas da abstinência do cigarro e saiba como superá-los


Imagem: Russell Boyce/ Reuters.

O Dia Mundial sem Tabaco, celebrado nesta terça-feira (31), promove a conscientização sobre os danos do cigarro para a saúde.


A abstinência é um dos principais desafios no caminho de quem decide parar de fumar. Os sintomas podem variar de uma pessoa para outra de acordo com o nível de dependência. As reações podem ser passageiras e tendem a desaparecer em algumas semanas.


Efeito de um conjunto de reações desencadeadas no organismo, a síndrome de abstinência da nicotina pode incluir dor de cabeça, irritabilidade, dificuldade de concentração, ansiedade e alteração do sono. Em alguns casos, as pessoas podem apresentar aumento do apetite, tristeza e indícios de depressão.


“A tendência com o tempo sem o consumo da nicotina através de cigarro, derivado do tabaco ou mesmo de dispositivo eletrônico para fumar, é que o número de receptores de nicotina nas células do sistema nervoso vá gradualmente diminuindo e, por isso, a avidez por essa droga vai diminuindo e, lentamente, os sintomas de abstinência também vão”, explica o médico pneumologista Gustavo Prado, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo.


De acordo com a psicóloga Vera Lucia Gomes Borges, técnica da Divisão de Controle de Tabagismo do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o desconforto inicial é uma das maiores dificuldades na batalha contra o tabagismo.


“Quem quer parar de fumar precisa saber que os sintomas da abstinência do cigarro são transitórios e vão passar. A primeira semana pode ser a mais difícil, mas isso significa que o corpo está se adequando a uma nova forma de funcionar. Por mais desconfortável que seja, a síndrome de abstinência da nicotina é um sinal de que o organismo está voltando a funcionar normalmente”, afirma a especialista.


A psicóloga Andréia Ferro Siqueira, 39, de Niterói, na região Metropolitana do Rio de Janeiro, começou a fumar aos 15 anos de idade. “Comecei a fumar vendo os adultos fumando. Minha família fumava; meu pai, charuto, e minha mãe, cigarro. Colegas de escola fumavam também”, conta.


“Na época, vendiam cigarro sem perguntar muita coisa. Ao longo dos 15 anos que eu continuei fumando, porque eu parei com 30, o máximo de cigarros que eu fumei foi um maço por dia. Fiquei pouco tempo fumando essa quantidade, geralmente era dois terços do maço por dia”, completa.


Andreia conta que decidiu parar de fumar quando detectou uma mancha no lábio que a levou à investigação na dermatologista.


“A médica pediu uma biópsia e disse que poderia ser algo relacionado ao uso do cigarro. Como tinha histórico de câncer de pele na família, fiquei assustada. Não deu nada na biópsia, mas era uma coisa relacionada ao cigarro, pois era como uma queimadura de leve”, afirma.

Ela conta que não contou com apoio médico quando decidiu parar de fumar, mas que sabia dos possíveis sintomas da abstinência.


“Escolhi um feriado em que eu fosse ficar dentro de casa e não tivesse nenhum gatilho para fumar, como sair para beber e gente fumando ao meu lado. Em um feriado de Tiradentes, usei os quatro dias sem trabalhar para parar de fumar e realmente foi o tempo em que eu tive mais sintomas de abstinência, como irritabilidade, dor de cabeça e tentei não substituir por nada, foi quase como uma internação domiciliar”, conta.


Andréia relata que as primeiras semanas foram as mais difíceis, mas que medidas como tomar refrigerante, chupar laranja e outros alimentos cítricos ajudaram. Além disso, ela adotou um método de redução de danos, o que significa que não considerava uma imposição não fumar em caso de ansiedade muito grande ou pânico.


“O fato de pensar assim me ajudava a acalmar e não fumar. Se eu ficasse desesperada para fumar um cigarro, eu fumava, mas isso aconteceu umas três ou quatro vezes, dentro do primeiro ano, e a cada vez que eu fazia isso, foi ficando mais desagradável o gosto e o cheiro. Hoje em dia, se eu bebo, praticamente não tenho vontade de fumar”, diz.


Iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Dia Mundial sem Tabaco foi criado em 1987. Desde então, diversos setores parceiros em todo o mundo alertam sobre os malefícios causados pelo tabagismo e, principalmente, como evitar doenças e mortes relacionadas a este vício.


Dicas para lidar com a síndrome de abstinência


Os sintomas de abstinência podem ser mais severos nas primeiras semanas sem fumar. Os especialistas recomendam descartar qualquer cigarro da casa, evitar o consumo de álcool e café, além de manter uma rotina de alimentação saudável e exercícios físicos.


“A primeira coisa que precisa ser dita a quem decide parar de fumar é que no primeiro dia ela não pode ter cigarro em casa. A fissura, que é a vontade enorme de fumar, dura apenas cinco minutos e passa. Ela pode voltar, mas passa. Então, se a pessoa não tem cigarro por perto, as chances de fumar são menores”, diz Vera.


O especialista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz afirma que mudanças na rotina podem ajudar a enfrentar as primeiras semanas sem fumar.


“As estratégias de enfrentamento dos sintomas da síndrome de abstinência são compostas de medidas comportamentais, como por exemplo a busca por distrações, mudar de ambiente e de atividade quando percebe os sintomas de abstinência. Quando der aquela vontade de colocar alguma coisa na mão, sugerimos pegar um lápis para desenhar ou rabiscar. São medidas que ajudam a pessoa a criar caminhos mentais de modificar os hábitos de trazer o cigarro à mão e à boca e acender”, explica.


A pesquisadora do Inca alerta que, para muitas pessoas, o hábito de fumar está associado a outras ações como beber café ou bebidas alcoólicas.


“É importante evitar coisas que estimulam a vontade de fumar, como o álcool. Beber e fumar tem uma associação muito grande, por isso, quem quer deixar de fumar precisa evitar o álcool, principalmente nas primeiras semanas. Também recomenda-se evitar tomar café, se o hábito estiver relacionado ao cigarro”, afirma.


A prática moderada e regular de exercícios físicos pode trazer benefícios para a saúde que incluem condicionamento físico, melhorias para a qualidade do sono, redução do colesterol e ganhos para a saúde mental.


Para quem decide abandonar o cigarro, a inclusão de atividades físicas na rotina pode ser uma aliada, segundo os especialistas.


Exercícios respiratórios simples, como puxar o ar para dentro e soltar o ar lentamente e ir relaxando podem ajudar. Também é bom fazer caminhada, sair de casa quando estiver tenso e ansioso, beber bastante água e comer alimentos de baixa caloria”, diz Vera.


No Brasil, o Dia Mundial sem Tabaco é promovido pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), que realiza anualmente uma série de eventos sobre o tema com o objetivo de levar à conscientização sobre a necessidade de se parar com o hábito de fumar.


Ajuda profissional


O médico pneumologista André Nathan, do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, explica que, em alguns casos, pode ser indicado o uso de medicamentos a partir de orientação médica.


“Temos medicações que podem ser usadas para reduzir esses sintomas de abstinência, tanto aquelas que ajudam a parar de fumar, como a bupropiona, além do uso da goma de mascar e do adesivo de nicotina”, afirma.


O apoio psicológico também pode ser um aliado no combate ao tabagismo, de acordo com o pneumologista.


“Na psicoterapia breve ou terapia cognitivo comportamental, a pessoa aprende a lidar com esses sintomas quando eles ainda estão mais exacerbados até o momento, depois de um ou dois meses, quando eles já estão bem fraquinhos e praticamente não precisa mais”, diz.


No Dia Mundial sem Tabaco, 100 razões para parar de fumar


Em razão do Dia Mundial sem Tabaco, a OMS lista mais de 100 razões para parar de fumar, incluindo:


  • O tabaco afeta sua aparência;

  • Quando você usa produtos de tabaco e nicotina, coloca em risco a saúde de seus amigos e familiares;

  • Fumar cigarros eletrônicos perto de crianças compromete sua saúde e a segurança;

  • O uso de tabaco traz consequências sociais negativas;

  • Você pode usar seu dinheiro em coisas mais importantes;


A lista completa com todos os motivos pode ser conferida em português no site do Inca.


Fonte: CNN Brasil


0 comentário
Sem título.png
Caixinha de perguntas Start.png