top of page
Buscar

Dois jogadores são alvos no RS de operação contra manipulação de resultados no futebol


Imagem: divulgação/ MPGO.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), prestou apoio ao MP de Goiás nesta terça-feira (18) no cumprimento de três mandados de busca e apreensão nas cidades de Santa Maria, Erechim e Pelotas. A ofensiva está relacionada à operação Penalidade Máxima, deflagrada pela instituição goiana. Os alvos gaúchos foram dois jogadores de futebol.


A operação havia sido deflagrada em 14 de fevereiro deste ano para obtenção de provas de suposta associação criminosa especializada na manipulação de resultados de partidas de futebol profissional. As investigações apontam que o suposto grupo criminoso atua mediante a cooptação de atletas para a combinação de resultados nas partidas por meio de ações como, por exemplo, o cometimento de pênalti no primeiro tempo dos jogos, entre outras iniciativas.


O objetivo do esquema criminoso é viabilizar o êxito em apostas esportivas de elevados valores. Em contrapartida, segundo a apuração, os atletas recebem parte dos ganhos, em caso de sucesso no esquema. Estima-se que cada suspeito tenha recebido aproximadamente R$ 150 mil por aposta.


Conforme já apurado, o grupo criminoso atuou mediante cooptação de jogadores profissionais de futebol, com oferta de valores entre R$ 50 mil a R$ 100 mil aos atletas para que eles cometessem eventos determinados nos jogos.


A investigação indica que as manipulações eram diversas e visavam, por exemplo, assegurar a punição a determinado jogador por cartão amarelo, cartão vermelho, cometimento de penalidade máxima, além de assegurar número de escanteios durante a partida e, até mesmo, o placar de derrota de determinado time no intervalo do jogo. 


Há indícios de que as condutas previamente solicitadas aos jogadores visam possibilitar que os investigados consigam grandes lucros em apostas realizadas em sites de casas esportivas, utilizando, ainda, contas cadastradas em nome de terceiros para aumentar os lucros. 


O trabalho investigativo apontou que o grupo teria atuado, no mínimo, em três partidas ocorridas no final do ano passado na série B do Campeonato Brasileiro de Futebol. Estima-se que os valores envolvidos no esquema ultrapasse


Há suspeitas de que o grupo criminoso tenha concretamente atuado também em ao menos cinco jogos da Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2022, bem como em cinco partidas dos campeonatos goiano, gaúcho, mato-grossense e paulista, todos em 2023.


O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), também prestou apoio ao MP de Goiás com a execução de dois mandados de busca e apreensão nas cidades de Chapecó e Tubarão.


A operação ocorreu ainda em Goianira (GO), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE),Bragança Paulista (SP), Guarulhos (SP), Santo André (SP), Santana do Parnaíba (SP), Santos (SP), Taubaté (SP) e Presidente Venceslau (SP). No total foram cumpridos três mandados de prisão preventiva e outros 20 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Estadual dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organização Criminosa e Lavagem ou Ocultação de Bens Direitos e Valores.


BRASILEIRÃO SÉRIE A (todos em 2022)


  • 5/11 - Santos x Avaí, cartão amarelo para jogador do Santos

  • 5/11 - Bragantino x América-MG, cartão amarelo de jogador do Bragantino

  • 5/11 - Goiás x Juventude, cartão amarelo para dois atletas do Juventude

  • 6/11 - Cuiabá x Palmeiras, cartão amarelo para jogador do Cuiabá

  • 10/11 - Santos x Botafogo, cartão vermelho para um jogador (clube não informado)

  • 10/9 - Juventude x Palmeiras, cartão amarelo para um jogador (clube não informado)


Quantia paga girava de R$ 50 mil a R$ 60 mil por atleta.


ESTADUAIS (2023)


  • 12/2 - Goiás x Goiânia, derrota parcial do Goiânia no primeiro tempo por determinado número de gols

  • 12/2 - Caxias x São Luiz, cometimento de pênalti por atleta do São Luiz

  • 11/2 - Esportivo x Novo Hamburgo, cometimento de pênalti por atleta do Novo Hamburgo

  • 11/2 - Luverdense x Operário, número de escanteios no primeiro tempo e no jogo

  • 8/2 - Guarani x Portuguesa, cartão amarelo para um jogador (clube não informado)


Quantia paga girava de R$ 70 mil a R$ 100 mil por atleta.


Fonte: Correio do Povo e GZH

0 comentário
WhatsApp Image 2024-02-26 at 16.17.18.jpeg
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page