Em meio ao temor de calote da chinesa Evergrande, Ibovespa vai ao menor nível desde novembro e dólar


O Ibovespa fechou em forte queda nesta segunda-feira (20) acompanhando o desempenho negativo das bolsas internacionais. Lá fora, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuaram entre 1,7% e 2,2% refletindo as preocupações com a incorporadora chinesa Evergrande, que viu suas ações despencarem 10% em meio a temores sobre a capacidade da empresa de pagar sequer uma parte da sua dívida de US$ 305 bilhões que vence na quinta-feira.

Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos, diz que a crise da incorporadora mostra a desaceleração do setor de construção civil na China, o que impacta na exportação de minério de ferro que o Brasil faz para o país.


“Esse impacto faz a demanda de minério de ferro cair, consequentemente cai também o preço do minério de ferro, o que faz com que entre menos dólar no país. Se a empresa for estatizada, em teoria, diminui os riscos do mercado. Como ninguém sabe ainda, há um grau de incerteza muito grande”, analisa.


Em dia de feriado na China, o minério de ferro caiu mais de 8% e foi negociado em US$ 92,80 em Singapura, acumulando uma baixa de 55% em apenas dois meses, resultado da política chinesa de diminuir a produção de aço, visando metas ambientais, e também com a desaceleração do setor de construção.


As ações da Vale (VALE3), que caíram na última sexta-feira apesar do dividendo de R$ 8,10 da companhia, registraram baixa de 3,3% hoje, a R$ 83,31.

Já Leonardo Santana, analista da Top Gain, acredita que há temor a respeito do risco sistêmico no caso Evergrande, com impactos para crédito e o setor financeiro em geral. “O mercado já começa a procurar proteção. As bolsas americanas caem muito, as commodities também, então os investidores buscam dólar e ouro, enquanto países emergentes como o Brasil sofrem muito”, avalia.


Também provocam ansiedade as reuniões de política monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) nos EUA e do Comitê de Política Monetária (Copom) aqui, com decisões de juros na quarta-feira. Espera-se que o Copom eleve a Selic em mais um ponto percentual, levando a taxa a 6,25% ao ano.


O presidente Jair Bolsonaro está hoje em Nova York e abrirá amanhã a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) com um discurso cercado de expectativa.


O Ibovespa teve queda de 2,33%, a 108.843 pontos com volume financeiro negociado de R$ 34,745 bilhões. Foi o menor patamar de fechamento do benchmark desde o dia 23 de novembro do ano passado, quando encerrou o pregão cotado a 107.379 pontos.


Fonte: Portal BRASIL247

0 comentário