Em Paris, Lula é recebido por Emmanuel Macron com protocolo de chefe de Estado


Lula chegou ao Palácio do Eliseu, sede do governo francês, no fim da manhã, onde era esperado por Macron na entrada. | Imagem: Ricardo Stuckert.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi recebido hoje pelo presidente da França, Emmanuel Macron, na residência oficial do chefe de Estado francês, o Palácio do Eliseu, em Paris. O encontro com o brasileiro teve protocolo reservado a chefes de Estado.


Desafeto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Macron se encontra com Lula em um momento em que a relação entre Brasil e França está abalada. O presidente francês é crítico ferrenho da política ambiental do atual governo brasileiro. Ele chegou a vetar qualquer acordo comercial com o Mercosul, falando em 'crime de ecocídio' por parte do Brasil.


Apesar de ter antecipado o encontro que teria com Macron, Lula não deu detalhes da agenda com o francês. O ex-presidente brasileiro cumpre uma série de compromissos na Europa desde a última quinta-feira (11).


Lula iniciou sua passagem pelo velho continente por Berlim, na Alemanha. Na sexta-feira (12), o petista se reuniu por mais de uma hora com Olaf Scholz, futuro chanceler alemão.


Da Alemanha, Lula foi para Bruxelas, na Bélgica, onde discursou no Parlamento Europeu, nesta segunda-feira (15). Ao falar na Conferência de Alto Nível da América Latina, o ex-presidente foi aplaudido de pé depois de dizer que o Brasil vive uma "tragédia sem precedentes" desde que Bolsonaro chegou ao poder e listou uma série de condutas do que chamou de "atitude criminosa" do governo durante a pandemia do novo coronavírus.


No primeiro dia na França, ontem, Lula almoçou com a prefeita de Paris, Anne Hidalgo. À noite, ele discursou no renomado Instituto de Estudos Políticos de Paris. Lá, ele falou sobre sua visão sobre o papel do Brasil "no mundo de amanhã".


O tour do ex-presidente pela Europa prevê ainda uma passagem pela Espanha, onde participará de uma conferência e se reunirá com lideranças políticas.


Fonte: Uol

0 comentário