top of page
Buscar

Operação do MPSP mira grupo ligado ao PCC suspeito de fraudes em licitações de prefeituras paulistas



O Ministério Público de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) e com o apoio da Polícia Militar, deflagrou na manhã desta terça-feira (16) a Operação Muditia, com o objetivo de desarticular um grupo criminoso que seria ligado ao Primeiro Comando da Capital (PCC) e é investigado por fraudes em licitações públicas em várias cidades do estado.


Os agentes cumprem 15 mandados de prisão temporária e 42 de busca e apreensão. As ordens judiciais, expedidas pela 5ª Vara Criminal de Guarulhos, incluem prisão cautelar de agentes públicos, como três vereadores de cidades do Alto Tietê e do litoral paulista. A identidade dos agentes não foi divulgada.


De acordo com os investigadores, as empresas alvos atuavam de forma recorrente para frustrar a competição nos processos de contratação de mão de obra terceirizada em diversas prefeituras e Câmaras Municipais do estado.


Os contratos firmados somam mais de R$ 200 milhões nos últimos anos e a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) tinha influência na escolha dos ganhadores de licitações e na divisão dos valores obtidos ilicitamente.


Guarulhos, São Paulo, Ferraz de Vasconcelos, Cubatão, Arujá, Santa Isabel, Poá, Jaguariúna, Guarujá, Sorocaba, Buri, Itatiba e outros municípios têm contratos sob análise.


Segundo a promotoria, havia simulação de concorrência com empresas parceiras ou de um mesmo grupo econômico. Também há indicação de corrupção de agentes públicos e políticos — secretários, procuradores, presidentes de Câmara de Vereadores e pregoeiros. Diversos outros crimes, como fraudes documentais e lavagem de dinheiro, também são investigados.


Participam da operação 27 promotores, 22 servidores e 200 policiais militares.


FONTE: CNN Brasil

0 comentário

Comentarios


Grupo Star superior.png
Caixinha de perguntas Start.png
bottom of page