Cidades da Região Metropolitana têm prejuízos com a BR-116


Foto: Claudio Fachel / Divulgação

Os prefeitos da Região Metropolitana levarão à bancada federal gaúcha um apelo para a execução de uma série de intervenções previstas pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) na BR-116, estimadas em R$ 692 milhões. Um dos pontos principais é sobre a redução de congestionamentos, principalmente no trecho entre Porto Alegre e Novo Hamburgo.


Segundo o superintendente regional do Dnit, Delmar Pellegrini Filho, são R$ 2,6 milhões de prejuízos por hora com os congestionamentos na BR-116 no trecho entre a Capital e a cidade do Vale do Sinos. "Para nós que estamos aqui na ponta, é um problema seríssimo. E eu vejo que nós temos que levar esta pauta junto ao ministro (da Infraestrutura) Tarcísio Gomes de Freitas", acrescentou a prefeita Fátima Daudt, que é vice-presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) e presidiu a assembleia, logo após a abertura do encontro por parte do presidente e prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo.


Pellegrini detalhou as melhorias previstas para o trecho da rodovia e enfatizou a importância de elas serem concluídas em um prazo máximo de três a cinco anos, sob pena de não atenderem mais as necessidades. Segundo ele, para as obras serem realizadas em três anos, são necessários investimentos de R$ 230 milhões anuais, mais de dez vezes os recursos disponíveis para este ano. Atualmente, o Dnit trabalha na duplicação da ponte sobre o Rio dos Sinos, em São Leopoldo, com previsão de conclusão para janeiro de 2022.


As melhorias propostas preveem alargamentos da rodovia, construções de terceira faixa, travessias subterrâneas e viadutos em pontos críticos, além de 23 passarelas para pedestres. Para o trecho de Novo Hamburgo, são duas travessias subterrâneas (ligando os dois lados da cidade), além de novas alças de acesso no Viaduto Ayrton Senna e construção de mais uma pista em cada lado do pontilhão sobre o Arroio Luiz Rau, desafogando as retenções de tráfego na região (facilitando inclusive o acesso à RS-239).


Por fim, o dirigente do Dnit lembrou que o movimento de veículos na BR-116 já retornou ao que existia antes da BR-448, construída justamente para desafogar o trânsito na rodovia. Até 2013, o trecho de Novo Hamburgo a Porto Alegre da BR-116 contabilizava 140 mil veículos diários. Em 2014, com a abertura da BR-448, caiu para 100 mil veículos por dia. Mas em 2021, já retornou aos 140 mil veículos por dia. A BR-448 tem um movimento de 60 mil veículos por dia.


Dezenove cidades compõem a Granpal, com uma população de cerca de 3,7 milhões de habitantes e 33% do PIB do Estado do Rio Grande do Sul. Também participou do encontro o superintendente da Metroplan (Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional), José Sperotto. O diretor de Transportes da Metroplan, Francisco José Soares Horbe, abordou os desafios da mobilidade e da integração entre os serviços municipais e regionais de transporte público.


Fonte: Jornal do Comércio

0 comentário