Ceprol/SL reivindica mais esclarecimentos da administração municipal sobre retorno às aulas


SÃO LEOPOLDO: o programa StartNews recebeu nesta segunda-feira , 24 de maio, as representantes do Sindicato dos Professores Municipais de São Leopoldo (Ceprol), a presidenta Andreia Nunes e a vice-presidenta, Cristiane Mainardi.


Durante a conversa, uma das questões abordadas foi a elaboração do calendário de retorno às aulas da rede municipal apresentado por parte da Prefeitura de São Leopoldo. "O calendário de retorno foi encaminhando somente para as equipes diretivas das escolas, mas para o Sindicato não foi encaminhado nada em relação a este assunto", afirma Cristiane. De acordo com este calendário, as aulas dos colégios municipais devem ter início no dia 01 de junho.


Em uma mesa de negociação realizada entre o Ceprol e Secretaria de Educação de São Leopoldo (Smed), o município informou que foi notificado pelo Ministério Público estadual, através de uma liminar, no qual é solicitado o retorno às aulas. O Ceprol por sua vez, requer mais esclarecimentos sobre esta liminar enviada pelo MP/RS. "Nós até agora não conseguimos entender qual foi a justificativa do juiz para obrigar o retorno às aulas diante da situação de pandemia que estamos vivendo", afirma a presidenta, Andreia Nunes.


Durante a mesa de negociação, foi solicitado o processo liminar enviado pelo MP, a Smed nos informou para que enviássemos um oficio com esta solicitação, porém até hoje não tivemos retorno, afirma a vice-presidente. O Ceprol sempre se dispôs a ter diálogo, mas com isso, estamos criando uma situação de intranquilidade com a categoria. "Temos uma relação muito próxima com os profissionais de educação. Todos tem muita confiança no Sindicato", diz Cristiane Mainardi.


Hoje São Leopoldo conta com 50 escolas municipais todas elas hoje estão tendo aulas remotas desde março de 2020. Para o retorno presencial destas instituições, a Secretaria Municipal de Educação de São Leopoldo, deverá distribuir equipamento de proteção individual (EPI) a todos os professores e demais trabalhadores destas escolas. Também deverá disponibilizar álcool em gel, produtos de higiene e limpeza nos locais. O oferecimento de refeições também é um questionamento levantado pelo Sindicato e uma dúvida de muitos pais. Desde abril de 2020 a Prefeitura de São Leopoldo está distribuindo os kits de alimentação para as famílias em situação de vulnerabilidade. Com o retorno às aulas, não se sabe se esses kits continuarão sendo oferecidos a essas famílias.


O Sindicato também alega que não foram apresentados dados por parte da Smed em relação a vacinação dos professores, quantos fazem parte do grupo riscos, por exemplo. Nós, do Sindicato, estamos consultando a categoria. Fizemos um formulário onde será realizada uma análise sobre a situação dos profissionais da área, não só sobre o retorno às aulas, mas também sobre quantos já foram contaminados pela Covid, as sequelas que tiveram após o contágio, quem faz parte do grupo de risco, entre outras questões, afirma Andreia.


Como vai ser a carga horária dos professores e também dos alunos? São muitas dúvidas e infelizmente não estamos tendo respostas e nem diálogo por parte da administração municipal, comenta Cristiane. "Os professores de escolas públicas estão tendo que dar conta com questões muito além de suas atividades. Muito diferente da realidade das escolas particulares, onde há diversos funcionários. Fora a questão dos estudantes que vão além de ter uma máscara facial e álcool em gel", conclui. Com isso, inúmeros questionamentos seguem abertos para o retorno seguro às aulas.

Nelson Spolaor

Em contato via telefone com a reportagem do www.startcomunicacaosl.com.br , o secretário geral de governo Nelson Spolaor relatou que em resposta a ação civil movida pelo ministério público está sendo apresentado um calendário que está analisando todo o processo de retorno ás aulas. Este calendário estará monitorando em processo gradativo uma possível volta ás aulas de acordo com o quadro sanitário da cidade de São Leopoldo.


Segundo Nelson “os equipamentos, recursos e medidas e protocolos estão prontos para o retorno ás aulas, e a data oficial se mantém no dia 01 de junho".


Os kits de alimentação (São Leopoldo é a cidade pioneira na distribuição e já entregou mais de 140 mil entre os estudantes do município) continuarão sendo entregues após o retorno presencial.


Redação do www.startcomunicacaosl.com.br/ Matéria: Jornalistas Mariana Santos e Pâmela Ledur

0 comentário